5 áreas de conhecimento que um Agilista precisa dominar!

5 áreas de conhecimento que um Agilista precisa dominar!

Assim como em todas as profissões existem requisitos, pontos de conhecimentos e habilidades específicas, para construir uma carreira de Agilista não é diferente.

Elencamos 5 áreas de conhecimento neste artigo, essenciais para um Agilista. São elas:

1- Liderança, ensino e facilitação;

2- Autoconhecimento;

3- Gestão Agile de projetos, produtos e serviços;

4- Business Agility;

5- Coaching profissional;

Do começo: o que é um Agilista?

O Agilista, ou Agile Coach, é o profissional que tem como principal objetivo, implementar e desenvolver os Métodos Ágeis (ou, Agile do inglês) em uma empresa, o que garante o aumento da produtividade e adaptabilidade do negócio.

Agile Coach é uma profissão que, para ter domínio e desempenhar de forma excelente, é preciso ter um bom preparo, e ter em mente que dominar todas as áreas que vamos abordar aqui, como a desenvoltura, liderança e repertório de conhecimento, levam tempo de aprimoramento e amadurecimento.

Outro ponto importante para abordarmos em relação a essa profissão é a sua importância e procura crescente no cenário atual. Mesmo com a pandemia do coronavírus, a procura por Agilistas é próspera justamente por ser esse o profissional quem promoverá a adaptabilidade de seu funcionamento.

Confira a nossa lista:

1- Liderança, ensino e facilitação:

Esta é a primeira área, e nela existem 3 tópicos distintos, porém, unem-se diretamente no conceito e definição de um Agilista.

A habilidade de liderança está vinculada com a de ensino, uma vez que é o Agilista quem vai apresentar e conduzir os membros da equipe à transformação. É essencial que o profissional saiba elucidar as ideias e deixá-las claras, acessíveis e estruturadas para todos. Em geral, os formadores de opiniões dentro das companhias, são os líderes, por isso que para treinar e desenvolver o senso de mudança, o Agilista precisará saber liderar tal mudança.

A respeito da facilitação, é fundamental que o profissional saiba de maneiras práticas e incisivas, como promover a praticidade e facilidade na rotina das pessoas. Conheça bem os softwares que serão usados na facilitação e traga o conteúdo de uma forma prática e simples de ser entendida.

2- Autoconhecimento:

Essa área tem muito a ver com liderança, e devido a sua importância, merece mais atenção. Para transformar uma empresa, times e processos, será necessário antes de mais nada, conhecer a si mesmo e consequentemente, se transformar.

Como você vai ajudar uma empresa ou outras pessoas a passarem por um processo de transformação sentido a agilidade se você mesmo não passou por um? Saber quais são os seus limites, os seus pontos fracos e fortes, vão te guiar na direção da transformação que você será capaz de promover. Por isso, classificamos o autoconhecimento como um pilar para ser Agilista.

Neste sentido, a Inteligência emocional auxilia na autodescoberta. Atividades como meditação, práticas de esporte e conceitos de autotransformação, são uma das diversas ferramentas que existem para se descobrir e melhorar como profissional da Indústria 4.0!

3- Gestão Ágil de projetos e produtos:

Não há uma estratégia única para adaptação às metodologias ágeis, portanto, cada empresa terá necessidades exclusivas no processo. O Agilista precisa abordar não só a gestão de projetos, mas também, trazer a perspectiva de produtos sempre com o foco em gerar valor para os clientes.

Alguns conceitos abordados nesta área de conhecimento são:

  • MVP: Produto mínimo viável;
  • Gestão Ágil de Projetos;
  • Visão de produto ou serviço;
  • Product Ownership: Priorização, o que faz, como criar um backlog;
  • Design Sprint e Design Thinking;
  • Scrum Mastering;

Uma ideia importante na profissão é justamente quebrar esse paradigma de alocar recursos em projetos e passar a alocar projetos em equipes.

4- Business Agility:

Para explicar vamos relembrar que o conceito da agilidade é adaptação e flexibilidade. Essa área trata incisivamente de tornar a empresa ágil, ou seja, adaptativa e flexível frente às mudanças.

O Agilista levará o modelo de gestão de uma célula, ou squad — como é chamado atualmente, para toda a empresa, utilizando um framework de escala como Scrum@Scale, e conceitos como pensamento sistêmico, Gestão Lean e métricas Lean-Agile também são utilizados.

5- Coaching Profissional:

Parece óbvio, mas, para ser um Agile Coach é importante saber e entender o conceito de coaching profissional. Ler as pessoas e situações e traçar um caminho para cumprir esse objetivo é uma atividade importante para um coach. Saber como trilhar o caminho para adaptar a cultura de cada empresa é uma questão que leva tempo, sabedoria e maturidade.

O problema é que pela falta de preparo técnico e de pontos como esses tratados no artigo, a profissão de coach caiu em descrédito e ficou banalizada. Nosso objetivo é ir no sentido contrário e preparar as pessoas para serem profissionais e terem autoridade sendo referência na área.

Conclusão

Realizar um trabalho de transformação exige preparo, conhecimento técnico, pessoal, maturidade e acima de tudo, vontade de se transformar antes para poder transformar as empresas.

Se você se interessa por assuntos como o que abordamos neste artigo, e quer receber insights diariamente sobre agilidade e métodos ágeis, siga o Heitor em seu Instagram @hroriz.

A Massimus é uma empresa que realiza treinamentos oficiais pela Scrum Alliance e oferecemos soluções Scrum através de Agile Coaching e Mentorias.

A Massimus é uma empresa que realiza treinamentos oficiais pela Scrum Alliance e oferecemos soluções Scrum através de Agile Coaching e Mentorias.